sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Um belo dia

A pessoa não consegue dormir, aí vai pra varanda pensar besteiras porque lá é mais arejado. A mesma pessoa pensa que é preciso estudar fenomeno dos transportes por que vai ter prova durante a semana e já foi mal na primeira avaliação. A pessoa pensa que essa febre e essa dor no corpo vão dificultar muito sua semana de trabalho (e de prova).

Aí você para pra pensar o quão incoerente é o ser humano estar numa varanda as 3 da madrugada
pensando em provas e no trabalho. Depois, ainda parado, pensa: porque não faço algo realmente interessante?

Mas as 3 da manhã?


A primeira coisa que vem a mente é telefonar pra um amigo. Mas só tenho 3 e nenhum deles é tão meu amigo assim a ponto
não querer me matar por isso.

A segunda coisa que vem a mente é dar um mergulho na piscina. Mas eu não tenho uma piscina.

A terceira coisa que me vem a mente é: Se eu perdesse um braço, como eu faria pra amarrar o sapatos??!

A quarta coisa não me veio, exatamente, a mente, mas passou ali perto e eu captei. Era alguma coisa
sobre o efeito do álcool. Mas eu nem bebi...

Como quinto pensamento foi o dia em si que me veio a mente, como um dia que começa assim pode terminar??!
Alias, eu nem sabia que dia era, só fui descobrir que era dia 21 bem depois, quando comecei a escrever e vi no relógio do computador. Se fosse dia 22 tudo faria mais sentido, seria um dia louco, mas era dia 21... Um dia que nunca vez mal a ninguém. Dia do aniversário da Roberta e da Alcione, dia do casamento do José Luiz com a Silvia, primeiro dia das ferias do Marcelo e ultimo dia no hospital da Susan, que finalmente levaria seu filinho Carlos pra casa, um dia feliz, bom pra um monte de gente... Mas e pra mim, o que vai ser?

Aí chegou a sexta coisa, a lamentação. Lamentar por ter que estudar. Por não ter uma piscina, por não ser meu aniversário ou meu primeiro dia de ferias. Lamentar
por o Obina voltar pro flamengo e a França ir pra copa. Lamentei até não ter um objeto, mesmo nem sabendo pra que ele serve. Lamentei pelas pessoas que não tem braço e por isso tem dificuldade com os cadarços. Lamentei perder meu tempo lamentando.

Sétimo pensamento, a aceitação. Pensei o quão insuportável eu estava sendo estragando a madrugada de um monte de mosquitos, que estavam por ali me acompanhando.
Pensei que faria de tudo pra ter um dia excelente, me convenci a voltar pra cama e me obriguei a passar o dia inteiro de bom humor. Se isso não desse certo eu poderia ficar uma semana inteira de mal humor. Sorri comigo mesmo. Pensei que eu era um cara idiota muito engraçado.

Voltei pra cama pra tentar dormir.









Se você estiver lendo isso é sinal que não consegui dormir. E se eu não consegui dormir será muito dificil ser bem humorado, por isso se eu sorrir pra você hoje, sorria de volta.

2 comentários:

Beatrix Kiddo! disse...

Porra, eu queria ter uma varanda pra poder refletir, quando estivesse muito calor. Olha como a sua vida já eh bem melhor que a minha.
Pára de reclamar.
Beijinhos!

Lisianpeia disse...

Olha eu ali! Voc^ficou de bom humor? Fiquei até curiosa..