terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Eu, o espelho e a beleza viciante


- Acho que vou vê-la de novo...

- Já fez isso ontem à noite

- Mas sinto vontade de fazer novamente

- Acha mesmo ela tão bela assim? Achas que é tão bela a ponto de valer a pena repetir este ritual todos os dias? É realmente necessário admirar uma imagem congelada em um momento passado?

- Não há palavra pra definir o que sinto, não sei explicar o que ela tem, mas sei que a beleza que carrega é sozinha responsável por esse meu gracejo bobo. Os momentos congelados nas imagens são o que mais invejo... como pode um momento sozinho suportar um sorriso tão belo?!

- Sua razão esta perdida

- Minha razão é irrelevante

- Este sorriso o tornou insano

- Não ver este sorriso é que me deixa insano

- Seus olhos estão hipnotizados por essa beleza

- Creio estar apaixonado

- Tolice, na verdade estas viciado

- Como se vicia em imagens?

- Não é a imagem que o vicia e sim a beleza que ela traz

- Então assume que ela é bela?

- Eu sou você, sua imagem, vejo o que vê. Por isso admito sim, sua beleza é incontestável

- Sendo assim entende minha admiração

- Não, sendo assim apenas sei o que sente. Saber não é entender

- Começo a entender você, mesmo sem saber

- É fato, estamos dominados por essa beleza...

- ... essa beleza viciante

Um comentário: