quarta-feira, 16 de junho de 2010

15 minutos

Acordo e ainda são 5:23. Penso:

Legal, ainda posso dormir mais 17 minutos.

Me viro pro outro lado e o sono me
escapole por entre as pálpebras. Praguejo e penso:

Merda, perdi 17 minutos de sono!

Sento na cama e me recuso a alongar os
músculos. Estou com raiva de mim mesmo neste momento, eu que me foda. E meus músculos também.
Neste momento um bocejo surge forte e imponente, tento lutar, mas invejo sua determinação e força aquela hora da madrugada e deixo-o sair.

Ao sair ele o faz com tanta vontade que me obriga a fazer um movimento desajeitado com a coluna.

Ela estala e
doí mais que um parto.

Sei que nunca pari e nem pretendo
fazê-lo, mas ouvi relatos suficientes de parideiras profissionais e creio saber como deve ser a dor de um parto. E na duvida eu avalio que um parto doi para caralho.

E minha coluna doeu pra
caralho.

Logo, baseado em minhas
próprias conclusão infundadas sobre dores e partos, minha dor se classificou como uma dor de parto. Ponto.

Fiquei sentado ali, meio torto, meio
puto.

Imaginei que se houvesse levantado na hora certa não poderia ficar sentado ali meio torto e meio
puto, teria que levantar. O que me deixaria completamente torto. E completamente puto.

Porém, como eu levantei 17 minutos antes da hora normal, ainda havia pelo menos mais 16 minutos pra perder meio
puto e meio torto.


Constatei em tal momento que deduzi
rápido demais o tempo de sono que perdi. Me perguntei: Será que meu cérebro calcula melhor com sono? Ou será que ele calcula melhor quando eu estou meio torto?

Pensei em como seria extrair do meu
cérebro o seu máximo poder matemático em uma prova de Calculo Numérico e Integral. Me imaginei na sala, no meio da prova, sentado meio torto na cadeira. O professor aparece e pergunta:

- Esta colando?

Respondo:

- Não
digníssimo mestre, estou apenas extraindo do meu cérebro o seu máximo poder matemático!

Ri com tal cena
ridícula. Esta risada movimentou minha coluna de uma forma inesperada fazendo-a voltar a posição normal. Pronto, outro estalo. Estava curado. Pronto, outro parto. Estava puto.

Puto por inteiro desta vez.

Preferi estar completamente torto e de bom humor. Mas não estava. Naquele momento estava
reto e puto. Era o que eu tinha. Era o que eu podia ter. Era tudo que eu poderia usar durante o dia.

5:38h. Levantei.

Um comentário:

Allan disse...

Po kra,se vc ficasse com dor na coluna o dia todo,CONCERTEZA você ia ficar de mal humor auheuhaueh eu fiquei com torcicolo uns dias e vou te dizer,era mt chato auheuahe