sábado, 24 de janeiro de 2009

#7 Meu caminho é cada manhã, não procure saber onde estou

Quando chegaram a sala puderam ver Mirela sentada no chão abraçando as próprias pernas e chorando muito.
- Mirela! O que foi?! O que eu aconteceu?! Você viu alguém?? – João disse agarrando ela e a levantando-a a força do chão.
- Calma João! Deixa a menina respirar! – Augusto tomou a frente, abraçou Mirela e perguntou com mais calma – O que aconteceu Mirela? – Entre soluços ela respondeu:
- No telefone... snif ...Alguém ligou... snif... disse que era meu pior pesadelo... snif... disse... snif... disse...
- O que ele disse, porra!
- Cala boca Diogo! Deixa a menina respirar! Não ta vendo que ela ta assustada?
- Ah Augusto, para com isso! Deixa de ser molenga, faz logo ela falar! Todo mundo aqui ta tenso!
- Tudo bem Seu Augusto... desculpa seu Diogo... e que .. snif .. a voz disse que todos íamos morrer... fiquei assustada...

O silencio tomou conta da casa.


...

Todos estavam na biblioteca, exceto Bianca e Augusto que estavam cuidando de Mirela e de Josefa que ainda estava ao lado do corpo do marido.
- E agora?! – Diogo andava de um lado para o outro – O que vamos fazer?!
- Eu tentei ligar pra policia, mas não sei porque o telefone não esta funcionando – João parecia ser o mais centrado – Alguém me empresta um celular?
- O meu ficou sem bateria e meu carregador sumiu – Valeria dizia isso com assombro no olhar, como se tudo tivesse sido friamente calculado – Cadê o seu, Diogo? – Ela disse isso como se já soubesse a resposta
- Num sei... eu perdi ele pouco antes da festa...
- Ah meu Deus!! – É, aparentemente ela sabia mesmo a resposta.
- Calma mulher! Que besteira... Aninha, empresta o seu?
Ana Clara estava, neste momento, saboreando deliciosamente sua garrafa de vinho. Ela costumava beber quando estava em pânico.
- Eu não uso essas coisas...
- AH MEU DEUS!
- Porra! Para de show Valeria! Caralho!

...

Augusto entrou na biblioteca, estava com aparência preocupada.
- E então? Era só um ataque ou o que a garota disse tem fundamento?
- Tem sim, Diogo. Mais cedo fui acordado com o toque do meu telefone, não consegui atender mas vi que tinha uma mensagem nele...- Augusto olhou para o nada por um momento, como que lembrando a cena.
- Telefone! Cadê! O seu celular esta funcionando?
- Calma, Valeria! Deixa ele terminar! O que mais, cara? Só uma mensagem?
- Não, havia uma orelha também, na minha mesa de cabeceira.
- ORELHA!! – Valeria desmaiou
- UMA ORELHA!! – Ana riu, depois desmaiou
- QUE??! – Diogo estava chocado
- Havia sangue? Sangue fresco? – João estava interessado
- Sim... acho que tinha sido arrancada a pouco tempo...
- Precisamos falar com a policia, ou sair deste lugar... Talvez o Antonio tenha sido envenenado... como saber se seremos os próximos?!... isso é uma loucura!
- Com certeza, vamos reunir todos e sair daqui o quanto antes
- E a menina? Já falou sobre o pai dela?
- Ainda não...
- Gente! Bora acordar essas mulheres e dar o fora daqui rápido! – Diogo saiu do choque
- Calma, vamos esperar a Mirela, Bianca esta com ela, daqui a pouco estarão aqui
- É, falamos sobre o pai dela, buscamos Josefa e iremos até a delegacia...
- Ta certo... mas quem vai falar pra garota? – Diogo perguntou

...


Pouco depois Mirela entrou na biblioteca seguida por Bianca. Mirela estava bebendo leite quente para se acalmar e Bianca segurava um lenço.
- Melhor? – quis saber Augusto
- Um pouco, obrigada. - Respondeu Mirela
- E com vocês? O que aconteceu aqui? – Perguntou Bianca ao ver Valeria e Ana desmaiadas
- Contei a eles sobre a orelha
- Orelha? – Mirela estava assustada
- É ... encontrei uma no meu quarto hoje cedo
- Meu Deus...
- É ... coisas terríveis tem acontecido...
- E então? Quem vai contar? – Perguntou Diogo
- Contar o que ? – Perguntou João
- Que o pai da guria morreu ora!
- QUE???!

2 comentários:

Pedro disse...

sahushauhsa valeria parece minha mae

AH MEU DEUS!

Arth disse...

"- UMA ORELHA!! – Ana riu, depois desmaio"
hauahuahauhauhaua
Eles ensaiaram pra contar né?!