terça-feira, 27 de janeiro de 2009

#8 Serão noites inteiras, talvez por medo da escuridão, ficaremos acordados imaginando alguma solução...

Depois de tudo explicado, Mirela e Bianca foram para a sala junto com Augusto. Valeria e Ana já haviam acordado e estavam na cozinha com João, ele preparava pra elas algo para que pudessem comer. Diogo estava com Josefa, convencendo-a a entrar para que pudessem sair dali.

- Esta mais calma querida?
- To sim, dona Bianca... Obrigada

Bianca era muito atenciosa com Mirela, Augusto estava quieto em um canto da sala, pensando em como poderiam sair dali. E na cozinha:

- Bebam isso...
- Não quero!
- Ana, bebe logo isso!
- Não vou beber!
- Ela ta bêbeda, não vai querer beber
- Bêbada ta sua consciência! Num vou beber porque não quero!
- Ok, problema é seu... Valéria, toma... bebe esse café bem forte, você vai se sentir melhor e a gente vai embora.

Sangue não embebeda ninguém, e café não deixa ninguém melhor, não aquele café. Diogo tentava ainda levar Josefa:

- Bora sair daqui mulher! Porra! Ele já ta morto mesmo, quer virar presunto também?
- Não vou! Não vou deixar meu marido!
- Aé? Vai não?! Então da uma olhadinha ali, só esticar a cabeça

Josefa olhou mais a frente e viu o corpo de Marcelo

- MEU DEUS!
- É... ta vendo? Ta todo mundo passando dessa pra pior... se fosse você voltava comigo...

Josefa desmanchou-se em lagrimas

- De-me mais uns minutos com meu marido...
- Com o corpo dele, você que dizer
- Diogo!
- Ok, desculpa... vou entrar, falar com o pessoal, sairemos em 15 minutos...
- Tudo bem...

E Josefa deu um abraço em Diogo.
Na cozinha:

- Que foi Valeria?!
- Num sei João, to meio mole, cansada...
- Deve estar grávida ...
- Cala a boca Ana, ela é moça ainda... esqueceu que minha irmã é criada em escola de freira? Deve ser por conta do desmaio ...
- Hauhauhauhauhauhaa! – Nessa gargalhada Ana cuspiu sangue longe.
- Do que esta rindo? – João estava meio irritado
- Nada ...
- Ei! Ela me cuspiu sangue! – Valeria viu nisso um bom motivo pra mudar de assunto, afinal ela nem lembrava mais da época em que era “moça”
- Num é sangue... é vinho e um vinho muito bom por sinal
- Olha João, isso é vinho?
- É ... ela ta enchendo a cara desde cedo ... peraí ... – João provou um pouco e cuspiu - Isso é sangue!
- Será que é do desmaio?
- Não sei. Ana, para de beber... preciso examinar você
- Eu cuspi sangue?!
- É...
- Será que é algo no meu vinho?
- Deixe-me vê-lo... Meu Deus! Isso não é vinho! É sangue!

Ana caiu da cadeira, desmaiou. Valeria caiu da cadeira, estava morta. E nesse momento Diogo entrou na cozinha:

- A Josefa vai com a gente...
- Que houve?
- Desmaiaram...
- Porque dessa vez?
- Descobriram que sua irmã estava bebendo sangue desde cedo...
- ahuahuaha! Serio?
- Não tem graça...
- ok, desculpe. Porque sua irmã esta com sangue na boca?
- Ela não esta... Meu Deus!

João correu a acudi-la e constatou:

Hora da morte, oito e trinta e quatro.

Na piscina Josefa já não tinha mais sangue pra perder, em uma poça de sangue ela, assim como seu marido, experimentou o doce sabor da única coisa que não podemos escapar.

Hora da morte, oito e trinta e oito

2 comentários:

Arth disse...

Esse Diogo é foda..
hauhauahuahauhaua
E a Ana entende mt de vinho msm...

Pedro disse...

sahushaushasa

Vinho Samngue safra de 1568 senhor
humm otima safra